Sexta-feira, 4 de Outubro de 2013

FAMALICÃO > REGIONAL > Restaurante SARA BARRACOA

 

 

O Restaurante Sara, mais conhecido por Sara Barracoa, mora mesmo no centro de Famalicão, na Praça Dona Maria II – 720. É mesmo só estacionar entre as árvores do parque de estacionamento e atravessar a rua. Fecha num dia improvável, o sábado, mas nos restantes  a porta está sempre aberta para nos receber.

 

Dividida entre duas salas, mal se entra nesta verdadeira casa de comida portuguesa, recuamos uns bons 50 anos no espaço e na decoração que nos envolve. Faz mesmo lembrar aquelas antigas cozinhas-salas das quintas, que eram palco de grandes refeições e serões da província.

 

Esta casa, que abriu portas há mais de 170 anos, e continua nas mãos da mesma família, mantém-se num local simples e à vontade, com pequenos pormenores que fazem a diferença, como, por exemplo, um serviço muito familiar ou os guardanapos de pano, como “manda a lei”.

 

A comida muito caseira e em doses fartas, é de grande qualidade e variedade, obedecendo a uma ementa semanal marcada, onde podemos encontrar à mesa uns  bolinhos de bacalhau com arroz do mesmo, pataniscas de bacalhau com arroz branco, filetes de pescada com salada russa, rojões à moda do Minho, vitela assada no forno,feijoada com tripas, cozido... Nos doces mandam o pudim de ovos e o pão-de-ló.

 

O vinho verde da casa, branco ou tinto, muito honesto por sinal, é tirado da torneira de umas pipas que habitam atrás do balcão de serviço.

 

EPICURISTA ME CONFESSO****

 

Considero esta Sara um caso sério de boa comida, descomplexada e sem tiques estatutários, mas que deixa qualquer comensal feliz e de barriga cheia.

 

Sentados a conviver com a outra época, comecei com os bolinhos de bacalhau, sem muita gordura e com um equilíbrio no ponto no casamento que envolveu a dose de bacalhau. Depois passamos para umas magníficas pataniscas de bacalhau, que só por si davam de comer, ao mesmo tempo, aos olhos e ao estômago. Repenicamos também nos rojões, que dão orgulho ao mais vaidoso dos minhotos, acompanhado de uns verdes salteados de bom casamento. Para fechar um pudim de ovos bem lambareiro, daqueles que fazem pesar a consciência quando levantamos as pernas de debaixo da mesa. A acompanhar os talheres de trabalho, bebemos um jarro de verde branco da pipa da casa, que não saiu envergonhado no final do repasto.

 

A conta é simpática, tendo em conta a qualidade e o bom acolhimento, nunca tendo pago um valor que se afaste muito do 15 euros.

 

Fecho a meter inveja, porque amanhã o meu almoço vai ser na Sara... E bem mereço, porque é de boas memórias que construímos as nossas experiencias, e esta é uma e das boas! Bem hajam!


publicado por Epicurista Portuense às 01:00
link do post | comentar | favorito
Antonio José Barros
Um Blog de prazeres profundos, mesmo que por vezes muito simples...


Pesquisa

 

Tags

todas as tags

Arquivos

Março 2016

Setembro 2015

Agosto 2015

Junho 2015

Novembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Março 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Julho 2013

Junho 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Ligações

Visitas

Subscrever feeds