Segunda-feira, 19 de Novembro de 2012

PORTO> BAIXA> TASQUINHOS> Casa de Pasto GOLFINHO

 

O Golfinho mora em plena Baixa, na Rua de Sá Noronha - 137, mesmo em cima da cosmopolita movida portuense.

 

Sala estreita mas relativamente comprida, em forma de corredor, com mesas do lado esquerdo e um balcão corrido ao longo de toda a sala do lado direito, passa bem o bom espírito tripeiro das nossas típicas casas de pasto.

 

De porta aberta todos os dias, serve a toda à hora e até bater na meia-noite todos os que aparecerem.

 

À cabeça da oferta, a Francesinha do Golfinho, completada por diversos petiscos e pratos do dia. Os preços variam entre os 6-8€ por cozinhado, tanto ao almoço como ao jantar.

 

EPICURISTA PORTUENSE***

 

Já há muito tempo que me tinham falado deste canto da cidade, mas só agora, e porque passei à sua porta sem destino, aproveitei para sentir o sabor à casa.

 

Mal desço as duas escadas de entrada, conheço o almirante desta casa, o simpático Silva. Como o meu rumo não apontava para aqui, tinha apenas uma vaga ideia de já me terem falado bem da francesinha do Golfinho, levantei uma questão inocente e que era se faziam por cá esta arte. A resposta foi pronta e natural, com uma simples pergunta: “No Oceano há água?”....

 

Lá veio para a mesa a “água” desta casa, acompanhada de umas magníficas batatas fritas, garantidamente não despejadas de um saco plástico mas bem cortadas à palha, sem sabor ao óleo da fritura nem com gordura a mais. A Francesinha não me pareceu de estalo, mas faz bem justiça ao nome, mas também confesso que não sou muito fã dela com bife, prefiro a original. No entanto, o molho era bom, sobre o espesso e com picante saboroso.

 

Nas sobremesas, tem fama de trazer para a mesa um bom pudim francês feito entre paredes, mas o meu estômago já não me permitiu...

 

O preço é muito em conta, valendo a Francesinha com batata 7,5€, a que somados 1 fino e um café ficou abaixo de uma nota de 10€.

 

No final tive direito a deixar o meu testemunho no Livro de Honra, onde reparei em testemunhos provenientes de vários cantos do mundo e todos abonatórios... Não tenho dúvidas que ajuda muito a isso o magnifico cicerone que é o homem que está à frente desta casa, como também fica a promessa de voltar brevemente para degustar os restantes petiscos e sugestões diárias do Golfinho, e completar assim a minha ideia sobre este tasquinho da minha cidade.

 

Para quem anda pela Baixa à noite e vai jantar com amigos num espírito à vontade, passe por lá e sinta-se desde logo bem-vindo... Bem-haja mestre Silva!


publicado por Epicurista Portuense às 01:02
link do post | comentar | favorito
Domingo, 4 de Março de 2012

PORTO> FRANCESINHAS> BUFETE FASE



O Bufete Fase mora nas imediações da Praça do Marquês, na Rua Santa Catarina – 1143. Aberto de segunda a sábado, entre o meio-dia e as 21h30, e com uma pausa entre as 16h e as 18h para descanso das máquinas.
Casa muita afamada cá no burgo entre os fiéis comensais da francesinha, recheada de prémios e menções honrosas, tem construído ao longo de quase 30 anos o seu bom nome na praça, não caindo na tentação de passar do artesanal para o industrial.

A sala tem cerca de 5 mesas e um pequeno balcão onde algumas pessoas se atrevem de pé a degustar a sua francesinha, tem atrás do balcão o seu mestre José Pinto, que trabalha com habitual arte e gosto, porque o produto final não é feito de excesso de pressas. Na sala, a filha, sempre atenciosa e simpática, chega para as encomendas.

EPICURISTA ME CONFESSO****
Não arrisco a ir a este bufete que não seja fora do horário habitual de refeição. No meu caso, o ideal é sentar as pernas debaixo destas mesas por volta das 14h, porque é a forma de chegar, ver e vencer. Nas horas de ponta, é estar com paciência para esperar, que confesso não tenho nenhuma.

Quanto à Francesinha, justiça lhe faz a fama que tem, porque é realmente um dos melhores exemplares que o Porto leva até à mesa. O molho, normal ou picante, é muito bom, mas a minha preferência vai mesmo para a versão mais apetitosa. A matéria-prima é seguramente de grande qualidade, e o produto final tem alguns apontamentos interessantes como, por exemplo, o pão ser torrado e depois barrado com manteiga, antes de ensanduichado.  

Na minha apreciação, só não dou nota máxima porque acho uma falha grave, em casa tão tradicional e de boa matéria-prima, a opção pelas batatas congeladas de saco. Quanto a mim o único aspecto a mudar.

Quanto à conta, honesta. Uma Francesinha, um fino e um café e o valor andou pelos €12.
Portanto, mais uma grande Casa de Comida do Porto, obrigatória no roteiro de qualquer apreciador de francesinha. Bem haja!


publicado por Epicurista Portuense às 23:14
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 18 de Janeiro de 2012

PORTO> FRANCESINHA> Restaurante-Marisqueira GAMBAMAR


O Restaurante-Marisqueira Gambamar mora na Rua do Campo Alegre – 110. Com mais de 35 anos de actividade, está aberto todos os dias das 12h até perto das 2h.

Mantém uma traça tradicional, não entrando em grandes modernidades, mas continua com uma sala confortável, pouco barulhenta e uma barra de meter inveja a muito boa casa. Com um ambiente privilegiado e acolhedor, é muito frequentado por empresários e políticos, mas também ponto de encontro de forças vivas do nosso burgo.

A matéria-prima é de primeira qualidade e a cozinha e o snack experiente. Os mariscos de primeira água. A carta diária curta, com muito poucas alterações ao longo do ano, a um preço equilibrado.

EPICURO ME CONFESSO***

Vou com regularidade ao Gambamar, mas Francesinha é escolha rara por esta paragem. Normalmente sigo por um seguro Bife à Russa e ao sábado pelas tripas.

Mas como estava num registo de Francesinhas, aí veio ela com um prato de batatas frias a acompanhar. Não posso dizer que fiquei desiludido, porque ilusão não a tinha criado antecipadamente. O molho é soft, bom para quem se quer iniciar a esta modinha, mas curto de boca para consagrados. O bife em vez da carne assada, ao meu paladar não ajuda, muito menos muito passado como estava. O equilíbrio de sabores do produto final é honesto, mas a gula pede mais.

O fino bom, sem ser memorável.

Francesinha (9,80€), batata frita (1,60€), 2 finos em copo baixo (2,60€) e café (0,90€), e a conta ficou por 15€.

O Gambamar continua no meu roteiro, mas não para degustar uma Francesinha. Bom local para um almoço de trabalho e óptimo escolha para uma refeição solitária ao balcão.


publicado por Epicurista Portuense às 12:10
link do post | comentar | favorito

Antonio José Barros
Um Blog de prazeres profundos, mesmo que por vezes muito simples...


Pesquisa

 

Tags

todas as tags

Posts recentes

PORTO> BAIXA> TASQUINHOS>...

PORTO> FRANCESINHAS> BUFE...

PORTO> FRANCESINHA> Resta...

Subscrever feeds